Um Destak um pouco errado sobre a UnB

ImageQuem não acompanhou a greve dos professores em Brasília é porque não estava na cidade. Agora vemos outra que se anuncia. Os professores da Universidade de Brasília (UnB) decidiram organizar uma paralisação a exemplo da dos professores do ensino fundamental e médio.

O que me impressiona, no entanto, são os títulos escolhidos pelos veículos de imprensa para falar sobre a greve. O mais emblemático foi o do jornal ‘Destak’. Em manchete de letras garrafais lá está a crítica nas entrelinhas: ‘Professores da UnB decidem cruzar os braços’. Continuar lendo

Anúncios

Quando ofender é permitido

Jô Soares laçou um livro sobre assassinato de gordas. “As Esganadas” conta a história de um serial killer do Rio de Janeiro do começo do século passado que só mata mulheres obesas. Agora pense se a obra tivesse sido escrita por uma Top Model.

Grupos de combate ao preconceito entrariam com processos judiciais, seriam encomendados perfis psicológicos sobre a autora. O livro seria um fracasso. Continuar lendo

Gianecchini está com linfoma, o vazio da imprensa

O famoso jornalista Gay Talese escreveu a reportagem mais famosa do mundo do jornalismo, “Frank Sinatra Está Resfriado” quando ele não tinha nada para falar. Talese tentou uma entrevista com o cantor em vão e no fim, no auge de seu desespero, escreveu um perfil sobre o cantor e sua doença, 27 páginas de um grande nada. Um resfriado rendeu a matéria mais adimirada da imprensa mundial. Continuar lendo

Amy Winehouse morreu. Enfim.

Amy Winehouse foi encontrada morta no meio da tarde em seu apartamento em Londres. Admitamos que essa já era uma notícia aguardada. O próprio pai dela, Mitch Winehouse, declarou em 2007 que já havia preparado um funeral para a filha por não acreditar na sua recuperação, principalmente pela influência do marido Blake. O marido se foi, mas as drogas se mantiveram. E por mais que a assessoria de imprensa não tenha confirmado ainda, a probabilidade de uma overdose é enorme. Continuar lendo

Por um tratamento mais justo

Nas últimas semanas o povo brasileiro tem assistido a um intenso debate de lingüistas sobre o livro recém-adotado pelo MEC, Por uma Vida Melhor. Nessa obra a autora Heloisa Ramos diz que “os menino pega o peixe” não é uma frase errada e que é apenas uma variante do português tradicional e pode ser empregada, desde que observada a situação. Continuar lendo